Coaching? O que é e para que serve? (E como eu o descobri)

Em 2020 decidi fazer a minha primeira Certificação em Coaching. Na altura nem sabia bem o que era coaching, mas descobri que talvez me pudesse ajudar na mudança que desejava fazer. E como descobri isso?

Tudo começa em 2017, quando mudo de uma das melhores empresas para se trabalhar em Portugal para uma empresa grande e em rápido crescimento. Fui na altura, em busca de crescimento profissional. Queria novos desafios e definitivamente encontrei isso. Parecia ter todos os ingredientes para me sentir realizado, mas o que começou a crescer dentro de mim era uma enorme insatisfação e desmotivação.

Mas se aquele não era o caminho para mim. Então qual era?

Foi então que iniciei a minha busca por respostas a esta questão. Inicialmente procurei no minimalismo. Acreditava que se removesse tudo o que tinha a mais ia mais facilmente encontrar um caminho. Depois comecei achar que o problema era meu e tinha de me tornar mais produtivo. Comecei então a estudar e a tentar ser mais produtivo, focado e organizado.

No entanto, nenhuma destas abordagens me trouxe as respostas nem a tranquilidade interior que eu procurava.

Um dia ouvi falar em coaching e que alguns líderes tinham um coach para lhes ajudar ver novas oportunidades, a tomar melhores decisões e a melhorarem o seu desempenho. Fui pesquisar mais um pouco e percebi que um coach era alguém que fazia perguntas para ajudar a pensar melhor.

Apesar da definição bastante vaga, aquilo suou-me bem e parecia exatamente aquilo que precisava, pensar melhor. Talvez isso me pudesse ajudar a dissipar a confusão que dominava a minha mente.

Decidi fazer então a minha primeira Certificação em Coaching.

Foi somente durante o curso que finalmente compreendi o verdadeiro significado do coaching e percebi que, durante todo aquele tempo, poderia ter contratado um coach para me ajudar a explorar um caminho mais alinhado com as minhas necessidades.

Mas então, que raio é o coaching?

Ok, tudo muito bonito mas a verdade e que até agora ainda não apresentei nenhuma definição do que é coaching. Então, a definição que considero explicar melhor o que é coaching é a seguinte:

“Coaching é o processo através do qual o coach ajuda o seu cliente ou o beneficiário do processo a explorar os caminhos, as alternativas, as estratégias que potencialmente podem ajudá-lo a passar do ponto onde está (o estado atual ou ponto A) para o ponto onde gostaria de estar (o estado desejado ou ponto B).”

Quando descobri isto percebi que o coaching fazia todo sentido para o meu problema.

Abraçar um processo de descoberta de um caminho que me levasse do meu estado atual (indesejado) para o um estado desejado.

Claro que depois de aprender coaching e de fazer auto-coaching, também contratei um coach para me ajudar. Apesar de ter as ferramentas ainda era pouco experiente e acredito que a ajuda de outra pessoa por norma é mais eficaz.

Foi assim que descobri que o meu novo caminho para me sentir mais realizado não passava pelo trabalho que fazia na altura, mas por muitas outras coisas, sendo uma delas tornar-me um coach profissional. Decidi então fazer uma Certificação em Coaching Profissional com o Pedro Vieira na escola Life Training

Através de perguntas que me fui colocando e dos desafios propostos por outros coaches, quebrei crenças limitadoras e criei novas possibilidades. Explorei novos caminhos, conheci-me mais profundamente e, sobretudo, comecei a agir na direção que verdadeiramente fazia sentido para mim.

Hoje procuro ajudar outras pessoas através do coaching, para que elas possam também tomar decisões importantes para si, explorar novas possibilidades e obter resultados que as façam sentir mais realizadas.

A Ler: Pensar com Clareza by Shane Parrish 📚

Do adiamento à realização - o caminho para lançar o meu blog

Finalmente alcancei o meu objetivo, e este texto é a prova disso!

Ter um blog é um objetivo antigo, não para dizer que tenho um, mas para ter um espaço online onde posso partilhar pensamentos, ideias, experiências, conhecimento e aprendizagens.

Recordo-me dos anos em que frequentava o ensino secundário, entre 2005 e 2007, e usava o Fotolog. A ideia era partilhar imagens em formato de blog, mas para além de gastar muito tempo a editar imagens no Photoshop, também escrevia bastante. Foram tempos felizes que terminaram provavelmente porque a moda passou.

Já durante a faculdade, com o Facebook a ser a rede social dominante e o início do consumo rápido de informação, surgiu-me pela primeira vez a ideia de criar um blog. Um espaço onde pudesse escrever com calma e partilhar conhecimento. Na altura, cheguei a criar um para falar sobre fotografia, mas não avancei com o projeto. A ideia, no entanto, ficou!

Nos últimos seis anos, desde que comecei aprofundar os meus estudos em áreas como o Coaching, Neuroestratégia, Hipnose, Produtividade, Comunicação, Inteligência Emocional, Psicologia, Neurociência e Filosofia, a vontade de partilhar e escrever publicamente sobre estes assuntos tem aumentado, mas tem sido constantemente adiada. As desculpas foram muitas, até que eu decidi analisar o que realmente me estava a impedir de concretizar este projeto.

Após um processo de Auto-Coaching, percebi que haviam várias razões, sendo algumas delas:

  • O medo de que aquilo que tinha para partilhar não fosse assim tão útil para os outros;
  • A preocupação em ter um website bonito e perfeito;
  • A crença de que precisava de ter alguns artigos preparados antes de anunciar o meu blog.

Tudo isto criava resistência e procrastinação, e o meu foco era direcionado para coisas como ferramentas de escrita, pesquisar blogs de outras pessoas, criar um sistema complexo para gerir conteúdo, etc.

Agora tinha a informação necessária para mudar e concretizar este objetivo.

Defini que o blog seria lançado no início da primavera (não falhou por muito aqui). E para garantir que desta vez isto ia mesmo acontecer tive de tomar algumas decisões importantes, tais como:

  • Vou partilhar aquilo que sei, da melhor forma que sei, e vou aprender com isso.
  • Vou ter um site o mais simples possível e vou evoluir a partir daí. Pode até ser algo como o Fotolog, tal como nos tempos de secundário. O mais importante é escrever.
  • Vou escrever um artigo (este) e publicá-lo.

Tomar estas decisões foi parte do processo para eliminar a procrastinação e finalmente criar a condições necessárias para eu concretizar este objetivo.

E se estás a ler isto, obrigado por estares desse lado e por acompanhares o nascimento de um projeto muito importante para mim, mas que espero que se venha a tornar também importante para ti.

Até breve,

Ivo